segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Palestra com doutor em Direito Ambiental supera expectativas

Em comemoração aos 20 anos do curso de Agronomia da Unisul, e também ao dia da árvore, alunos e professores foram agraciados, no dia 21 de setembro, com a presença do mestre e doutor Prof. Antônio Carlos Brasil Pinto, que ministra a disciplina Direito Ambiental na Escola Superior de Advocacia da OAB/SC.

Segundo o professor Sílvio Tiago Cabral, mediador do evento, a palestra foi tão boa que superou as expectativas, e contou com a presença de 130 pessoas no Auditório do CETTAL. Alguns dos aspectos abordados na palestra foram: 


1) A Questão da “Anistia a Desmatadores“.
2) A Proteção dos Rios.
3) Anistia e Regularização.
4) Do Título Executivo .
5) Os Pequenos Proprietários e a Agricultura Familiar.
6) O Texto Mantém Índices de Reserva Legal, mas Permite Uso das APPs no Cálculo.
7) Área de Preservação Permanente Conta como Reserva Legal.
8) Formas de Regularização da Reserva Legal. A Compensação e a sua Exploração Econômica.
9) Da  Irretroatividade em Sede de reserva Legal.
10) Da Cota de Reserva .
11) O Plano de Manejo e a Exploração de Florestas Nativas.
12) Das Atividades Industriais.
13) Das Áreas Urbanas.
14) Reservatórios de Água.


O Prof Sílvio abriu o evento realizando os agradecimentos à UNISUL e ao Curso de Agronomia pela passagem dos 20 anos. Ao  Programa de  Educação Continuada - PEC do CREA-SC. Ao Grupo de Apoio a o Comitê de Gerenciamento da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar - GAPP. A seguir o falou sobre o Dia da Árvore face à legislação ambiental.


Imagens e informações cedidas pelo prof. Sílvio Tiago Cabral

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Palestra - O Novo Código Florestal: Aspectos Polêmicos

Prezados,

No dia 21 de setembro, em comemoração ao dia da árvore, o curso de Agronomia em parceria com GAPP e o CREA-SC, promoverá a Palestra: O novo código Florestal: Aspectos Polêmicos.

Então, convidamos para prestigiarem o evento e tirarem suas dúvidas sobre esse assunto tão polêmico nos dias de hoje.

Abaixo, está o banner do evento com mais detalhes, e caso precisem de mais informações, podem consultar o prof. Silvio Cabral (gapp@unsiul.br).

Abraços,
Professor Celso.


terça-feira, 3 de julho de 2012

Tomate que não apodrece ganha repercussão nacional

A repercussão sobre o tomate que nunca estraga aqui de Tubarão tomou proporções nacionais. O caso é tão singular que foi matéria nos principais veículos de comunicação estaduais e também no canal de notícias nacional Record News. Veja abaixo os links.

- RBS e outros canais do grupo (abaixo)


- Record News e Ric TV (abaixo)



Não é sem motivo que esses tomates estão sendo cotados para concorrer ao Guinness como os tomates mais duradouros do mundo. Vamos esperar para ver!

quarta-feira, 13 de junho de 2012

13° Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha

Alunos e profissionais do setor agrícola atentem para o 13° Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha, que acontecerá em menos de um mês, entre os dias 09 e 11 de julho, em Passo Fundo/RS, no Centro de Eventos da Universidade de Passo Fundo. Mais informações sobre inscrições, programação e hospedagens clique aqui.


domingo, 10 de junho de 2012

terça-feira, 5 de junho de 2012

A industrialização do Arroz

A equipe do programa Espaço Rural foi até a Copagro conhecer como funciona o processo de produção do arroz. Confira!

Bloco 1


Bloco 2


Bloco 3

sexta-feira, 1 de junho de 2012

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Profissionais de Arqueologia da UFRJ fazem campanha em Laguna

Professores e pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina vieram até Laguna para estudar antigos sambaquis encontrados na região.

Bloco 1


Bloco 2


Bloco 3

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Professores do curso de Agronomia fazem curso de cpacitação


Os professores do Curso de Agronomia da UNISUL, Maurício V. Alves, Sílvio T. Cabral,  José C. Calegaro e Gilmar P. Plá,  participaram de um curso de Capacitação em Bacias Hidrográficas ocorrido no Centro de Treinamento de Tubarão – CETUBA, entre os dias 09 e 11 de maio. O curso foi promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Sustentável – SDS, e as aulas foram lideradas pela Prof. Drª. Beate Frank. O evento foi muito bem avaliado pelos participantes.

Os principais tópicos abordados foram: Introdução à gestão de recursos hídricos e ao papel dos comitês de bacias hidrográficas em sua implementação. Programa SC rural. Componente: 2. investimento público complementares para a competitividade rural; subcomponente: 2.1 Gestão ambiental; atividade :2.1.1.são de recursos hídricos; Linha de ação: 2.1.1.8 fortalecimento dos comitês das bacias; Código da ação:7.1.20 – planejamento e gestão de recursos hídricos: instrumentos de gestão.

Da esquerda para a direita: professores Maurício, Sílvio,  José e Gilmar.

terça-feira, 29 de maio de 2012

O segredo do tomate que não estraga

Os professores do curso de Agronomia estão intrigados com a durabilidade de uma espécie de tomate encontrada em uma residência de Tubarão. Vários desses tomates foram colhidos há aproximadamente seis meses e até agora não estragaram. A dona da residência, onde o tomate foi colhido, levou uma amostra para o coordenador do curso de Agronomia para um estudo mais minucioso. O caso chamou tanto a atenção da população tubaronense, que foi destaque no jornal Diário do Sul.


segunda-feira, 28 de maio de 2012

Colombianos fazem intercâmbio na Unisul

Entrevista com o intercambista colombiano Edwar, que veio estudar Agronomia na Unisul de Tubarão.

Bloco1


Bloco 2


Bloco 3

sexta-feira, 30 de março de 2012

Projeto do curso é destaque do jornal Diário do Sul

As recentes pesquisas e os trabalhos realizados na fazenda do curso de Agronomia da Unisul, localizada em Braço do Norte, para potencializar a produção de maçãs em climas mais quentes foram destaque na edição de hoje (30.03) do Jornal Diário do Sul, um dos maiores jornais diários do sul do estado. A matéria esclarece qual é o objetivo dessas pesquisas, que têm apresentado um resultado muito promissor, tanto para o curso, quanto para pesquisadores e empresas parceiras que realizam projetos de melhoramento dos cultivares. Leia abaixo a matéria na íntegra.

Sexta-feira, 30/03/2012, às 06:00
Pesquisa aponta potencial para a fruticultura
BRAÇO DO NORTE – A região do Vale do Braço do Norte é conhecida pela suinocultura e também pela produção de gado leiteiro e pode, no futuro, ser também um polo de fruticultura. Isso porque pesquisas realizadas pelo curso de Agronomia da Unisul, em Braço do Norte, apontam que algumas variedades de maçã têm se adaptado bem ao clima mais quente da região.
As pesquisas são realizadas há seis anos e os resultados iniciais são promissores. A produção de maçãs é feita em cerca de um hectare na fazenda do curso de Agronomia. “Eu já trabalhava com pesquisas com plantas frutíferas na
Epagri e quando vim para a Unisul propus que realizássemos pesquisas com maçãs de clima quente para verificar qual cultivar se adaptaria melhor ao clima da região, com temperaturas mais elevadas do que as registradas na Serra, onde tradicionalmente se produz maçã em Santa Catarina”, explica o coordenador do curso, Celso Albuquerque.
Em Braço do Norte, são cultivadas as variedades Princesa, Monalisa, Eva, Condessa e Castel-Gala. Entre elas, o cultivar Eva tem mostrado melhores resultados. “As pesquisas têm apontado que esta variedade, Eva, tem se adaptado melhor à região. Ainda é preciso mais estudos para podermos indicar este cultivar para a produção em maior escala. A pesquisa segue agora para a questão da polinização. A macieira precisa de duas cultivares diferentes para produzir, ela é de polinização cruzada, então, uma precisa ser a polinizadora e ainda não definimos qual é a melhor”, relata o professor.
Uma futura produção no Vale pode ser potencialmente mais vantajosa economicamente. O custo de produção ainda não está definido, mas já há apontamentos para um valor menor do que a maçã produzida na Serra, pois nesses anos de avaliação não foram encontradas incidências de doenças, o que diminui o custo com tratamentos fitossanitários. “Mas o principal diferencial é que esta maçã chegará ao mercado em período de entressafra. A colheita dela é em dezembro, enquanto a da Serra ocorre agora, em março. Dezembro é um período em que a maçã existente no mercado é velha, está estocada em câmaras frias”, revela o professor Celso Albuquerque. Isso significa que o valor de venda também é maior. Enquanto a maçã serrana é vendida para o atacado entre R$ 0,70 e R$ 0,80 o quilo, a maçã do Vale pode ser vendida a R$ 1,40 o quilo por ser um fruto novo, em período de entressafra.
Segundo Celso, a produção e a qualidade são equivalentes ao fruto produzido na Serra. “A qualidade é comparável às outras maçãs, a vantagem é que ela entrará na entressafra. Em princípio, a produção na região seria para atender o Sul do Estado. As pesquisas apontam para uma produção na região de aproximadamente 40 toneladas por hectare, mas com o passar dos anos a tendência é ela produzir mais. A estimativa é que a produção atinja 50 toneladas por hectare”, diz Celso.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Aula prática ensina alunos sobre métodos de coletas de inseto

Alunos da quinta fase do curso de Agronomia aprenderam na prática como aplicar métodos de coletas de insetos. A aula ocorreu na segunda-feira, 26, no famoso Morro do Cettal da Unisul, local com grande variedade de insetos e materiais naturais para estudo. Abaixo o texto escrito pela professora responsável pela disciplina de Entomologia, Msc. Patrícia Menegaz Farias.

Ao estudar os insetos descobre-se que é o maior grupo de animais atualmente existente, o qual ocupa uma grande variedade de nichos ecológicos. Ao viverem em variados ambientes apresentam hábitos alimentares diversificados, o que os torna benéficos ou pragas. Quando estes insetos causam prejuízos ao homem, sob o aspecto do interesse agrícola ou médico é essencial que as espécies sejam conhecidas.

E através da coleta de insetos que se inicia o procedimento de catalogação das espécies. Além disso, as coletas permitem realizar coleções didáticas, museus entomológicos, estudos populacionais em determinada área geográfica, conhecimento das estruturas das espécies e ainda o monitoramento de pragas agrícolas para definir o método de controle. Desta maneira, o método de coleta utilizado torna-se de fundamental importância para preservar as características do material coletado e posteriormente fazer a identificação correta. A coleta de insetos é o primeiro passo a ser tomado na estruturação e preparação de uma coleção entomológica, seja ela temática ou não. A estratégia de captura de insetos varia de acordo com os objetivos do coletor, do comportamento e biologia dos insetos. Coletar, montar e preservar insetos é uma excelente maneira de aprender sobre eles.

Abaixo algumas fotos da aula prática